Notícias

Doria reconsidera e diz que ‘não está decidido’ sobre farinata na merenda escola

Prefeito anunciou a distribuição nas escolas, mas se posicionou de forma diferente um dia depois

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Foto: Biscoito feito com Farinata (Foto: Rosanna Perroti/Divulgação)

Foto: Biscoito feito com Farinata (Foto: Rosanna Perroti/Divulgação)

O composto granulado feito a partir de alimentos próximos do vencimento, que seria distribuído nas escolas municipais de São Paulo como parte das refeições dos estudantes teve mais um capítulo na tarde de quinta-feira.  Tudo porque o prefeito João Doria (PSDB) recuou e disse que “não está decidido”.

O que está confirmado é que o composto será distribuído para a população em situação de rua atendida nos abrigos municipais. Doria fez a declaração em Goiânia, na quinta (19), menos de um dia após a coletiva de imprensa da Prefeitura para anunciar que o produto seria incorporado à merenda nas próximas semanas.

“Não está decidido se será na merenda. Na alimentação para pessoas em situação de rua sim, que são aquelas abrigadas nos Centros Temporários de Acolhimentos e nos antigos albergues. Ali a alimentação é oferecida diariamente e a complementação da farinata, assim que tivermos as autorizações necessárias, será utilizada sempre como complemento alimentar. Ela não é alimentação em si, mas suplementar.”

Anúncio

FECHAR

A Prefeitura também liberou uma nota dizendo que “a eventual distribuição do composto alimentar do programa denominado Alimento para Todos, no formato de farinata, será de atribuição, principalmente, dos serviços municipais de assistência social. A farinata poderá ser utilizada para produção de pães, bolos, sopas e outras formas de preparo”.

Rosana Perroti, fundadora da Plataforma Sinergia, responsável pelo alimento granulado, admite que não tem capacidade de produzir o granulado em escala. “Como vamos conseguir produzir em escala para acabar com a fome? Somente através de políticas públicas, somente através de lei. A gente não pode abrir essa tecnologia para uma, duas, três toneladas. A gente está falando aqui de muito volume de alimento.”
Leia também:

Pais&Filhos TV